domingo, 10 de dezembro de 2017

The winner stands alone - Lucas Jammal

The winner stands alone,
Only in heaven we can love...
Like an alchimist in the throne,
I’m alone since hand in glove.

I'm tired cause you can't see,
But giving up for love is giving up from life,
Why can’t you just stay with me?
Love is so good, but not rife...

I just can’t live without you,
I just can’t eat strawberries,
I just can’t touch the truth,
I just live in locked libraries... 

sábado, 9 de dezembro de 2017

Mundo suicida - Lucas Jammal

Mundo tolo e solitário! 
De pessoas bem babacas! 
Que escondem o nada dentro de si! 
Por não terem nada para dizer,
Não terem um coração pra amar. 

Pessoas assassinas, 
Que só pensam em machucar,
Com teus silêncios arrogantes...
É tão estranho assim,
Ouvir alguém dizer “ bom dia “? 

Será que elas transam,
Pelo celular também? 
Quero essa bosta de app então,
Só pra não ser o único,
Dos que amam sozinho...

E é nesse mar de arrogância,
Que há a melhoria contínua do mundo,
Para um mundo que já é frio,
Sempre há alguém mais gelado que o mundo,
Há outra escolha além de ser mais um gótico? 

“ Vamos ouvir músicas introvertidas,
Sair pra beber em algum lugar “,
Eu disse, pra um amigo na minha cabeça...
E então eu fui pra casa beber sozinho,
como sempre... 

Se eu pudesse viver sem o coração,
Como o mundo inteiro vive,
Talvez eu ouvisse a voz da razão,
Talvez eu aprendesse finalmente a lição
De que o amor é para os tolos. 

O pior é que mesmo sem seus corações,
Uns vivem até apaixonados,
Por jogos e estudos,
E nudes, na internet
A máquina é o melhor amigo. 

E eu estou enlouquecendo,
Nesse hospício de mundo,
Deus, me tire já daqui! 
Nesse mundo que é só você e eu
E você nem aparece! 

Eu quero te ver, Deus, quero te ver,
Já que não há ninguém nas ruas lotadas, 
Nem ninguém na internet... 
Quero que você me abrace forte,
Para que eu nunca mais idolatre um ser humano! 

Vou te escrever mil poemas, 
Vou correr pelado na neve,
Pra tentar me acostumar com o frio... 
Vou morrer em paz, te encontrar,

Saindo desse mundo suicida. 

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Que amor é esse? - Lucas Jammal

Qual o motivo do amor bater tão forte em meu coração?
Mexer assim comigo, fazer as coisas repetir,
Feito carne moída na geladeira, isso é amor ou solidão?
Que amor é esse, desse maldito e intenso bem ou mal sentir?

Que amor é esse que me faz fazer besteira, me dá alucinação?
E me deixa tão sem graça nas garras fortes do progredir...
E me deixa tão preguiçoso de viver assim em vão...
E que me enche de ambição, mas esvazia de persistir...

Esse amor tão poderoso é um enigma sem solução,
Que abre a porta que é tua boca, que é a porta do sorrir,
Em teu olhar eu encontro toda e qualquer canção...
Mas é uma pena, você vai... e não me deixa te seguir.

Bobo da corte - Lucas Jammal

Feliz, em teu gigantesco palácio,
Beijando, alucinado, teu tapete vermelho,
Aquele tapete, onde você pisa teus pés,
Na fila para ser mais um
A ter a cabeça decaptada.

Eu abraço aquele tapete vermelho,
Quentinho, eu finjo que é você...
As vezes queria ter nascido mulher,
Só pra poder te entender...
Eu tenho tanta coisa pra te dizer!

Eu digo sempre um porção de coisas,
Que parecem as mesmas, mas não são,
Se o poema é de amor,
Ele não é nunca clichê!
Não se julga clichê o que vem do coração!

Sou um bobo da corte que recita teu poema,
Mas ninguém ri, pois é de amor...
E meu amor é tão sem graça,
Que se transforma em desgraça
E não em algo acolhedor...

Mas só quando me apaixonei pela rainha,
Que o rei e a rainha riram de mim,
Primeira vez que fiz rir... e já começo a chorar,
O amor se tornou em uma piada sem fim...
E mesmo cheio de humor, o rei resolve me matar.

A flor que tu me destes - Lucas Jammal

Teu suor, calor e cheiro...
Como combinam com meu amor,
Como combinam com meu exagero...
Como combina comigo tua flor! 

A flor que tu me destes, nua,
Que antes era escondida na escuridão 
De mais uma calça que se vê pela rua,
Mas agora está amostra, pro bem do meu coração. 

E dessa flor, somente o retrato,
Já faz com que eu fique tão feliz...
Curto a flor, imagino o tato... 
E assim, viro raiz...

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Dreamless dream - Lucas Jammal

Dreamless dream,
Of a complete dead man,
As a quiet scream,
From a lonely Peter Pan! 

Dreamless soul,
Who walks happy with god, 
Dreamless rock and roll,
From my lonely plod. 

Dreamless moon,
Obviously, cause she is not alive.
And I won’t be alive soon,
Cause life's too short to thrive. 

So, that’s a dreamless feel
Of a dreamless guy,
Cause my love is so real,
That’s why it can’t be high. 

Dreamless call,
Of a dreamless city...
Dreamless fall,
Of a dreamless pity... 

That fucking rabbit - Lucas Jammal

That fucking rabbit is following me,
As if I were famous as he... 
it’s making me crazy, cause I couldn’t hide,
from that fucking rabbit and his fucking ride...

Rabbits are fuckers cause they are fast, 
they discover things quickly,
Then, they choose the cast,
Of unclear dreams, clearly... 

This fucking rabbit is looking for his light,
Since I was waiting for the night,
In an icy and loud rain...

Now I'm eating the lovely breakfast of life,
Hoping that the moon would turn into a wife,
With the girl on the train.