quarta-feira, 23 de maio de 2018

For two hands in a glove - Lucas Jammal

While you wait...
Lots of people around...
We are trying to create a fate...
But fate has no sound...

Lots of apples everywhere...
And your favorite rose
You put it in anywhere,
Good smell for any nose.

And you cry, you cry, you cry,
And so slow the time passes.
And the urges could die,
like a music for the masses...

And we listen together,
For the music that will be forever,
Between our love...
But all the others will forget,
While the fire we will set,
For two hands in a glove.

terça-feira, 24 de abril de 2018

Quando eu me vitimismo - Lucas Jammal

Quando eu me vitimismo,
O óbvio vira imprevisível,
Deus vira insensível,
O homem, estuprador,
A economia, um diabo,
O ódio vira amor
E o amor, nada.

Quando eu me vitimismo,
Jogo fora, tantos anos de trabalho...
Trabalho é o caralho!
Trabalho é o caralho!

Quando eu me vitimismo,
Eu encho o mundo de sofismo,
E o recheio de minorias,
E a cereja do bolo, é uma bomba vermelha,
A cereja deliciosa do " e agora? "
Que, assim como o trabalho,
Todo mundo adora...
Todo mundo, o caralho!

Qualquer coisinha é violência,
O mundo é mundo canibal.
Você, o Sr Donizildo,
E eu, um pobre animal,
Que todo mundo quer abraçar,
" Tadinho, ele não fez nada de errado!
Ele não é vilão, ele é um coitado de um herói!
É o herói dos coitadinhos! "
Oh, pobres humanos tão sozinhos.

Você é burrinho, não pode estudar,
É coitadinho, não pode trabalhar,
Você gosta de comer?
Então deixa eu te engordar!
Deixa o cabelo crescer,
O mundo tem que gostar!

E transe com a utopia, transe com a utopia!
Transa, que hoje em dia, até cocô é poesia!
E coma teu cocô, sem pestanejar,
Que a hemorroida é o amiguinho que te deixa sem ar!
A criança que enfiou a havaiana de pau na bunda,
Hoje toma moloko com soma, pro grande irmão, agradar!
Come, bebe, dorme e caga, criança imunda e moribunda!
Que é no sanduíche de bosta que eu vou votar!
Ou então, o babaca inútil, sempre a se vitimizar.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Amor obsoleto - Lucas Jammal

Tão frio, que não converso com ninguém,
Tão frio, que nem consigo mais sentir,
Tão frio, que nem consigo ser alguém,
E os filmes do Lars me fazem rir.

Tão frio, que só escuto coisas góticas
E tenho nojo do amor.
Tão frio, que a alma é robótica,
Tão robótica, que nem sinto dor.

Tão frio, que nada me afeta,
Tão frio, que ando em linha reta
E o silêncio é o melhor musical!

Tão frio, que esse soneto
Se chama " amor obsoleto ".
Obsoleto, ou até trivial...

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Piscina de amizade - Lucas Jammal

Sou teu amigo do coração,
Aquele que escuta tudo
E escuta tudo, com muita atenção,
Mesmo o silêncio, ele escuta, mudo.

Mudo, mas ele continua falando,
Pequenos textos gigantescos, ele resolve escrever,
Pois esse amigo, tem sempre tanta coisa pra te dizer,
Pois é amigo do coração! Portanto está amando!

E mesmo longe, ele resolve te abraçar,
Esse urso quentinho, que é tão carinhoso!
E ele fica feliz! Pois é tão bom amar!
Tão bom amar, quando se é amoroso!

Mas é terrível se sentir impotente,
É terrível não poder te salvar,
Não ter sua atenção, me deixa doente,
Eu não consigo nem respirar!

Mas eu me acalmo, pois sei que posso te escutar!
Em algum lugar, você fala, em algum lugar especial!
Um lugar bonito, de te imaginar e querer te levar!
Um lugar romântico e natural.

É tão romântica e natural, uma cantiga de amigo,
Essa cantiga, de amigos que não conseguem se desgrudar!
Quando estou contigo, não existe mais perigo,
Portanto eu sinto que nunca vou poder te deixar!

Num lugar quente, contigo, eu quero entrar no mar,
Num lugar frio, contigo, na neve, eu quero deitar!
Num lugar pacífico, contigo, eu quero respirar!
Mil lugares específicos, eu quero te levar!

Esse poema tem oito estrofes, pois oito é infinito!
Nossa união é eterna! Não tem como acabar!
Nosso amor é muito doce, intenso e bonito!
E é nesse mar de amor que vou sempre mergulhar!

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

O pior sentimento do mundo - Lucas Jammal

O que sinto por você é algo muito profundo,
Que sempre me enche de dor,
O pior sentimento do mundo:
Amor.

O amor me deixa fraco,
Sem conseguir levantar,
O amor é o buraco
Mais fundo que se pode enterrar.

Amor é coisa de gótico, é sadomasoquismo!
Amor é o nível mais elevado do autismo!
Amar é achar que os amigos dela são teus...

Mas eles nem te conhecem e te acham estranho,
Até ela te acha estranho. Ah! O amor é um banho
De sangue, com gosto de adeus.

Corte meus pulsos - Lucas Jammal

Fiz a aposta mais perigosa:
Amei, como ninguém amou!
E ainda amo!
Mas não fui amado...
É a pior coisa do mundo!

Aquele sonho,
Que te faria
Viver
Tão contente...
Te mata por dentro.

Mata, mata e mata,
Não é exagero algum.
Estou muito próximo de estar em coma...
Pessoas reclamam que eu não faço nada...
Meu amor me vê como vagabundo,
Sem amor é que se acaba com o mundo.

Eu rezo...
E Deus me trouxe meu amor,
Eu andava de mãos dadas com ela,
Mas, depois, eu acordava, sozinho,
Ou ao lado de outra pessoa...

Ah, a mão! A mão dela!
A mão, já é tanta coisa,
Quem dera segurar essa mão...

Essa vontade de morrer,
Mas nem morrer eu consigo,
Se não for tua mão,
Segurando o punhal
E assim sentir sua mão, perto do meu coração...
aí morrer, pelo menos, seria tão legal!

Aonde eu devo assinar, pra você me assassinar?
Corte meus pulsos, como cortou os pulsos de um sonho...
Pra que ter tanto medo de fazer?
Se você já me matou por dentro
E a diferença, é que por fora, seria só prazer?

Fiz a maior besteira da minha vida!
Comecei a escrever poesia!
Para esse sentimento, não existe saída!
Agora eu agonizo, respirando tua magia!

A magia é tão forte, que de longe eu sinto teu cheiro!
Mas você me ignora...
Você não sabe o quanto que o amor me apavora,
Se eu pudesse, eu ficava amando o dia inteiro...

É tão humilhante, ser tão rejeitado...
Ser homem, ser feio, ser burro, desajeitado...
Ficar amando e bancando o fracassado...
Parecendo vagabundo, bêbado e virgem tarado...

Viver, realmente, se torna bem animador!
Quando se vive bem distante,
Do nosso verdadeiro amor!
Amaldiçoado é o meu amor a cada instante!

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Surra - Lucas Jammal

Espero um dia esfregar,
Meu rosto na sua xota nua,
Do mesmo jeito que esfrego meu rosto na rua...
E assim, começo a sangrar...

Vou começar a gozar,
Virando opressor de boceta,
Se o amor faz de mim um careta,
Vai ser com a pika mesmo, que você vai engasgar.

Engasgar de amor é coisa de ator,
Vem sentir o poder do meu pinto opressor,
Que não há maior verdade e intensidade que foder.

Você quer surra? Então surra eu te dou.
Fiz patinho na pepeca e ela inchou?
Tadinha dessa boneca que só senta pra valer!