terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Surra - Lucas Jammal

Espero um dia esfregar,
Meu rosto na sua xota nua,
Do mesmo jeito que esfrego meu rosto na rua...
E assim, começo a sangrar...

Vou começar a gozar,
Virando opressor de boceta,
Se o amor faz de mim um careta,
Vai ser com a pika mesmo, que você vai engasgar.

Engasgar de amor é coisa de ator,
Vem sentir o poder do meu pinto opressor,
Que não há maior verdade e intensidade que foder.

Você quer surra? Então surra eu te dou.
Fiz patinho na pepeca e ela inchou?
Tadinha dessa boneca que só senta pra valer!

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Misantropia - Lucas Jammal

Como o mundo é frio,
Eu amo só você,
E esse meu jeito vazio,
De quem resolve não ser...

Só você me faz querer viver,
O restante, é pura escuridão...
Não sei como consigo sobreviver,
Sem conquistar teu coração!

Vivo de escrever poesia,
Asfixiado com a minha misantropia,
Cada verso é uma lamentação...

Lá fora é o abismo... o mundo é dor...
Volto louco pra casa... sofrer de amor...
Fissurado com a minha solidão...

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Poema de quando eu tinha 8 anos - Lucas Jammal

Meti-lhe minha bandana,
Com meus braços pra trás,
Fiz o Jutso da banana
E encontrei a minha paz. 

Quando eu tinha oito anos,
Eu me encontrei no mais,
Me enfiei debaixo dos panos,
Procurando o que me satisfaz. 

E na vigésima namorada,
Gozei meus rins falecidos,
Tanta paixão... e a alma, desesperada,
De tão velho gótico, eu tinha morrido. 

Num mundo de leões, 
Eu era um gatinho,
E entre os campeões,
Eu só caçava ratinho... 

E toda semana, toda semana,
Eu te comia com emoção,
Eu chupava a tua xana
E não podia ouvir " não "

E então eu ia estudar,
Mas sem prestar atenção,
Tanta coisa pra lembrar
E eu só lembrava do seu " não "

Que fase nova da vida,
Cheias de escolhas pro coração! 
Essa fase, tão sofrida...
E cheias de escolhas... só que não. 

Então, sonhava acordado,
Comendo lótus, em vão,
Feito principe encantado: 
Colecionando " não ". 

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Um soneto qualquer de amor - Lucas Jammal

Vou comprar todos os instrumentos de tortura,
Fazer minha vida desabar,
Ouvir que depressão é frescura...
Amor existe pra derrubar!

Amor é chão que se faz de cimento,
Pra pisar!
É o mais intenso sentimento!
E o mais fácil de você ignorar...

Quando te amo intensamente,
Você se vê impotente,
Mesmo sendo a única que tem potencial!

Amor faz ver que o mundo é um inferno,
Amor é um assassino usando terno,
Amor é o abismo de tudo aquilo que é real!

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Deixa eu ser frio - Lucas Jammal

Deixa eu ser um rio...
Deixa eu ser o fio...
Deixa eu ser o frio...
E vazio...

Sair de noite pra dançar,
Mas ficar parado,
Escutando a música tocar,
Ao teu lado...

Sem amor...
Agora eu posso respirar!
Quase vomitando de tanta cor!
A mente precisa esvaziar...

Tomando frappuccino no inverno!
Em Vancouver, de camiseta...
O amor é o inferno.
Preciso me esfriar em alguma boceta...

Vamos transar?
Mas com cuidado para não confundir...
Pois o amor me faz pensar...
E pensar me faz sentir...

Precisamos de mais sentidos
E de menos sentimentos...
No escuro, trabalhar os ouvidos,
Pra escuridão, ficar atentos...

Ouvir algum rock and roll pesado
E viajar e beber e foder...
E se foder... mas no final é engraçado,
Mais um passado pra gente beber!

Brincar de drama teatral e gritar
E num orgasmo total, delirar,
Bolas e clitóris irão se juntar,
Pra dançar um som gelado pra esquentar.

É só pra esquentar, então deixa eu te agradar,
Deixa eu ser frio, pra poder te conquistar,
Deixa eu ser vazio, pra poder te completar,
Deixa eu ser um rio, pra poder te afogar...

Deixa eu ser um fio, pra você não ter onde pisar...
Deixa eu ser sombrio pra você me iluminar,
Deixa eu ser febril, pra você me curar,
Deixa eu te amar!

domingo, 28 de janeiro de 2018

Te impressionar - Lucas Jammal

Mil mulheres eu queria ter comido,
Todas, todo dia, a tentar me conquistar...
E mil metros, ter percorrido,
Por segundos, só pra te impressionar...

Queria ter um pinto maior que de um negão,
Aqueles bem de assustar!
Ou apenas sequestrar teu coração
E fazer você me amar.

Queria voar até aí e te levar pro céu,
Tacar fogo em você e te curar...
Ficar invisível e te ver ao léu...
E com um soco, um prédio inteiro derrubar.

Te dar um simples presentinho,
Como um barquinho pra você navegar,
Ou um país pra você reinar,
Ou só meu pinto num potinho.

Se Deus me deixasse ser ele por um dia
E o tempo eu pudesse congelar,
E perto de ti, eu sempre estaria
E só respostas certas eu iria dar...

E tudo contigo, se eu quisesse, eu faria
E tudo que eu fizesse você iria gostar.
A vida seria a melhor poesia!
A vida... se hoje eu vivo, é pra te conquistar.

Quando eu morrer, o céu vai ser você o tempo inteiro!
Se isso for verdade, pela morte, eu não posso esperar,
Em milésimos, é óbvio, eu iria me matar,
Pois a vida seria uma ofensa, essa vida de poeteiro!

Eu preciso te impressionar, preciso te escrever!
Um dia serás minha!
Me deixe ser teu rei, até o amanhecer,
Pois de mim já és rainha!

Dedico quase a minha vida inteira,
Pra escrever para esse amor.
E já escrevi tanta besteira...
E já senti tanta dor...

Eu já cansei de decepcionar,
Mas entre ler e escrever há uma baita diferença.
As vezes demora dias, pra um poema acabar,
Para nem impressionar, mas soar indiferença.

Pastel - Lucas Jammal

Mesmo que não seja como o mel,
O salgado do pastel,
Me leva até o céu,
Sendo eu também, um pastel,
Cheio de recheio.

A loucura do pastel,
Me faz pensar,
Pra que tão pouca
gente louca,
a engordar?

Sim, realmente eu sou pastel
E, óbvio, eu to frito, é verdade,
Mas meu recheio é variado,
Mesmo que não te dê vontade,
Quem experimenta fica viciado!